domingo, 30 de dezembro de 2012

Doente


Estou doente,
Algo me aflige
Alterando meu sangue
Atrapalhando meus pensamentos
Destonando meus dias tranquilos.

Estou doente,
Infectado por um vírus contagioso
Deixando-me em pleno desgosto
De gostar de quem não gosta de mim.

Estou doente
Porque amo sem querer
E tal sentimento me faz crer
Que amar-te é um grande erro,
Do qual não quero mais cometer. 

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O “último” texto então?


        Segundo calendário Maia há uma previsão para o fim do mundo em 21 de dezembro de 2012, mas será que já não vivemos no fim do mundo? Não! Entretanto, a temperatura não para aumentar no decorrer dos anos, bem como a poluição seguida dos desmatamentos sinais dos “progressos”. A água tem uma grande tendência de ficar escassa futuramente e a civilização só pensa em consumi-la desenfreadamente, sem se importar com os que viram. Para isto, uma possível explicação, pois, somos todos vitimas dos conceitos capitalistas emaranhados a outros conceitos presentes em nossas gerações. Vivemos numa sociedade que “ter” é mais valorizado do que “ser”. Uma herança que herdamos e mantemos na tentativa de ter determinada coisa para sermos aceitos nos padrões que as mídias e a sociedade nos impõem. Então pergunto, será que estamos próximos do fim do mundo, com tantos desastres naturais ou causados pelo ser humano, com tantas injustiças e egoísmo que compartilhamos em nossos ciclos sociais? Não! A NASA (National Aeronautics and Space Administration) divulgou uma nota em que nega o fim do mundo, os “crentes” da profecia Maia buscam abrigos nas montanhas para alcançar a salvação e a grande maioria da população vê tudo isto como uma grande “piada”. Acredito que não temos realmente uma data precisa para o fim do mundo, mas de uma coisa não tenho dúvidas as nossas ações e concepções estão acelerando a chegada desta data, do nosso fim.  

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Onde foi


Onde foi parar minha inspiração
Que aquecia minha aflita alma
Motivando-me a escrever
Coisas que não deveriam ser escritas.

Onde está aquele sentimento massacrado
Que habitava em minhas veias
Motivando-me a enlouquecer
Coisas que não deveriam causar loucuras.

Para onde foram os desejos, os sonhos,
As alegrias, as tristezas, o amor?
Habita-me profundamente uma seca
Coisas que nem sua ausência dá conta de esclarecer. 

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Aperitivo da mexicana

    Julieta Venegas divulgou o single “Tuve Para Dar” uma música inspirada no “antes” e “depois” do México. O vídeo retrata bem estas duas visões de violência e alegria; o negro e o branco, uma crítica poética do admirável país, para o medo que ele causa. Com o refrão “alegrías tuve para dar, no creas que siempre fui así” a música um tanto melancólica ganha um ritmo com elementos eletrônicos que devem prevalecer em outras faixas do seu próximo álbum intitulado “Los Momentos”. A cantora define seu novo trabalho como “obscuro” e “Tuve Para Dar” já dá um belo indício disto. Los Momentos contará com participações ilustres como os compatriotas Rubén Albarrán vocalista da banda Café Tacvba e a Natalia Lafourcade, além da chilena Anita Tijoux. O disco está previsto para sair na íntegra no começo de 2013, até lá podemos saborear este belo aperitivo enquanto o prato principal não sai. 

domingo, 9 de dezembro de 2012

Cheio de rancor


Quando sou censurado,
Por que não devo não censurar?

Quanto não sou perdoado,
Por que devo perdoar?

Quando sou menosprezado,
Por que não devo menosprezar?

Quando não sou amado,
Por que devo amar?

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Vai um Vale ai?

   O senado aprovou um projeto em que os trabalhadores que recebem até cinco salários mínimos vão ganhar um “Vale Cultura” no valor de 50 reais e para os aposentados no valor de 30 reais.  O projeto já encaminhado agora aguarda a aprovação da presidente Dilma Rousseff. Este projeto tem como proporcionar o estímulo à cultura, bem como a “Bolsa Família”, que tem como objetivo estimular a frequência dos alunos nas redes de ensino pública. Tais incentivos são louváveis, se derem resultados satisfatórios. Mas pegando como exemplo Bolsa Família a obrigação é frequentar as escolas e não tirar boas notas, isto não é incentivo ao aprendizado, é apenas estimular uma frequência mostrando que o país mantem suas crianças dentro da sala de aula. Se tivéssemos um ensino de qualidade, melhores salários, uma melhor distribuição de renda, os “vales” que o governo oferece seriam desnecessários. Apesar de ser uma "boa" intenção é só mais uma possibilidade de “meia dúzia” mamar na teta do governo, além de proporcionar desvios de verbas desencadeando uma coisa que no Brasil quase não tem corrupção.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Gyp-Step


   No começo deste ano os ingleses Molotov Jukebox lançou seu segundo EP (mini-álbum) intitulado de 'Bang'. As quatro canções que compõem este trabalho são: Tick Tock, Don't Panic, Give It a Go e Trying. Formado há três anos, o grupo incorpora em suas músicas uma sonoridade quase incomum na indústria fonográfica, devido a utilizações de trompete, violino e acordeão que é manuseado pela vocalista/atriz Natalia Tena. Embora tenha uma voz marcante, ela deve ser mais conhecida aqui no Brasil, pelos seus recentes trabalhos na pele de Tonks Nymphadora na série de filmes de Harry Potter, e a selvagem Osha da série Game of Thrones na HBO. Voltando para música o grupo se define como "Gyp-Step", devido a combinações de vários estilos como gypsy (cigana), samba, ska, funk, jazz e dubstep swing. Em ‘Bang’ cada música conta uma história relacionada à excitação, reflexividade, luxúria, caracterizando um estilo próprio desta banda, que promete para ano que vem seu primeiro álbum. 

Dois corações


Há dois caminhos a seguir
Dois corações a partir
Um rumo a adotar.

Há duas formas para pensar
Duas ações para tomar
Uma boca para decidir.

Há dois indivíduos a descobrir
Dois motivos a insistir
Um sonho a realizar.

Havia duas almas para partilhar
Duas vidas para conquistar
Uma esperança para persistir.

Havia uma duplicidade unificada
Uma certeza instaurada
Havia, hoje já não há.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Amor pretendido


Ama-me estranhamente
Proferindo palavras excludentes,
Um amor que diz ter.

Ama-me com o olhar
Procurando talvez me analisar,
Um amor que digo ter.

Ama-me desgostoso
Pintando um tanto ocioso,
Um amor que imagina ter.

Ama-me
Querendo me amar,
Por medo de não encontrar,
Outro que ame você.

Memórias vivas de um tempo de guerra


    O advogado, poeta e escritor, Márcio Nogueira Valadares Vasconcelos aceitou o desafio de trabalhar na consultoria jurídica no Iraque, em que vivenciou, além das diferenças culturais, a guerra Iraque-Irã. Uma rica experiência que rendeu a obra intitulada Para Sempre Bagdá: memórias vivas de um tempo de guerra.  A narrativa transita entre as tradições islâmicas e os aspectos culturais, políticos e ideológicos em guerras de Saddam Hussein. A ficção se funde com fatos reais, revelando momentos marcantes da história contemporânea do Iraque, com mensagens e reflexões de alcance universal. O autor se projeta como narrador e protagonista de fatos vividos, sem desprezar os aspectos de fantasia e humor. Um livro convidativo para uma viagem à Bagdá, prometendo uma leitura prazerosa neste curioso mundo islâmico. 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O que você lê?


         Nos últimos anos houve um crescimento na venda de livros no Brasil, mas que livros serão estes? Creio que esta pergunta não seja de grande importância, o fato é que o consumo de livros aumentou e com isto a prática da leitura. Coisa que ainda é pouco praticada no país. A Literatura clássica é a mais valorizada e a maior “culpada” em relação ao hábito de ler. Tida como uma linguagem maciça e dificultosa, muitos a leem por obrigação. Esta obrigação pode contribuir para uma repulsa ainda maior, como ignoramos qualquer tipo de leitura relacionando esta prática e a qualificando como chata. Uma literatura que pode resgatar a magia do que é ler, e obter prazer nesta leitura é o fantástico. A Literatura Fantástica pode não ser uma obra 100% crítica ou que nos leva a reflexão, entretanto, ela nos fascina com enredos e feitos que talvez nem mesmo o homem com todas suas tecnologias possam realizar. O linguista búlgaro Tzvetan Todorov entre outros trabalhos escreveu sobre o fantástico na literatura, do qual faz referências a obras clássicas para explicar/exemplificar as características e as diferenças entre fantástico, estranho e maravilhoso. Já sobre a literatura comercial, quadrinhos, revista, jornais, enfim tudo é leitura e tudo está valendo, mas os adeptos a esta leitura não deveriam ficar "amarrados" somente a elas. A questão que me pergunto é: o que é literatura de consumo e o que não é? Livros tidos como “fenômeno em vendas” seriam tão ruins assim? Será que estamos numa época em que tudo que é popular não tem valor algum? Obras como Crepúsculo e este "bum" vampiresco, que não chegam próximo da obra de Bram Stoker, ou obras como Cinquenta tons de cinza, que pela minha ignorância no assusto deste livro trata-se de desejos sexuais, assunto já abordado pelo Marquês de Sade. Será que estas obras entre outras tem como o intuito vender e não acrescentar nada em nosso intelecto? Talvez o melhor lado deste tipo de literatura, além de incentivar a leitura, é mostrar a existências de outras obras que abordam o mesmo assusto, mas de uma forma mais critica e reflexiva, com isto, desenvolvendo nosso intelecto e nos transformando em “pensadores autônomos”. O mais importante independente de ser clássico, fantástico, comercial é criar o costume da leitura e saber os tipos queremos praticar. 

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Gira que por aqui não vem girar.


     Recentemente o duo espanhol Amaral passou com sua turnê pela América do Sul divulgado seu último trabalho “Hacia Lo Salvaje”.  O Brasil naturalmente ficou de fora, pois, o grupo não possui uma divulgação de seus trabalhos em terras tupiniquins. O álbum lançado no ano passado contém 12 faixas inéditas que serve de base para a turnê nas apresentações de Eva Amaral (vocal) e Juan Aguirre (guitarra), que também são responsáveis pelas composições de um relevante reportório. Com um estilo pop/rock e letras baseadas em relacionamentos Amaral é um dos grupos espanhóis que mais venderam discos de todos os tempos, um feito que não é o bastante para que eles venham visitar nossos trópicos. Desbravando as Américas eles aproveitaram para lançar o seu mais novo single ”Esperando un resplandor”, o que também destacaria deste trabalho outras canções como: Hacia lo salvaje, Robin Hood e Hoy es el principio del final. No dia 24 de novembro eles se apresentam no México despedindo das Américas, como a gira não vem para cá. Portanto, teremos que nos contentar com as canções e vídeos disponíveis no youtube e nas mídias dos músicos. 

Um romance da nação.


  Um romance desenvolvido no período do Brasil colônia, Danação de Marcus Achiles tem uma história intrigante mesclando preconceitos, religião, crimes sexuais e o folclore brasileiro. O livro lançado pela editora Baraúna nos convida a mergulhar na história do paulista dom Diogo, uma personagem que renegou sua religião em troca de ouro, na tentativa de reverter à ingrata visita da falência em suas terras. O preço teve um alto custo, sua alma que a partir deste trato amargava uma grande perda, seu filho. Na fuga de suas lembranças embrenha na mata aparentemente sem rumo, com dois de seus escravos um homem e uma criança. Um conflito com índios em seu percurso rumo à vila de Taubaté o deixou na beira da morte. João seu escravo o salvou, em nome da gratidão por ter protegido Inácio seu filho da morte que os cercavam, quando poderia deixa-lo morrer e fugir na procura dum quilombo em busca sua liberdade. A partir daí inicia-se uma transformação no relacionamento dono/escravo, mas sempre deixando bem claro a posição que cada ocupava.  O “justiceiro” chegando a Taubaté depara com o resultado de um pecado, o amor proibido entre um padre e uma viúva, que gerou mortes misteriosas toda madrugada de sexta feira, da qual as autoridades locais culpavam os índios e os caçavam nas matas. Os inocentes pagavam com as suas vidas, por crimes cometidos por um ser que desafiava o imaginário de qualquer homem sensato. Diante de tais acontecimentos, Diogo descobriria a missão que fora incumbido de realizar em Taubaté. Acompanhado também pelo diabo, personificado como uma “criança de dentes pretos”, que deliciava com as matanças, injustiças, travava com paulista questionamentos sobre a bondade do Senhor, em que o apontava como grande “carrasco da humanidade”, alegando ser apenas o “coletor” das almas ambiciosas. Nesta narrativa percebemos realmente a batalha interna entre o “bem e o mal” da personagem principal e que se estende para os ambientes em que decorre o romance, questionando a fé e a razão. Outro ponto muito interessante é o resgate da cultura brasileira que o autor retrata, mesclando fantasia com sentimentos e pecados verdadeiramente humanos. As injustiças cometidas e a brutalidade nas ricas descrições das mortes provocam uma indignação no leitor que é saciado com a “justiça”, já encaminhando para o final de uma história ricamente costurada no mais autêntico tecido nacional.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

História perdida


      O céu nublado e a temperatura elevada conduzia a menina dos cabelos emaranhados a um breve devaneio. Até que uma forte chuva regou seus pensamentos despertando-a. A procura dum abrigo um pequeno desnível a derrubou. Ali permaneceu em meio à lama de seus ideais, na espera do bom tempo. 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Bram Stoker em quadrinhos

   As adaptações em quadrinhos, para obras literárias vem apontando como a grande tendência no mercado de livros. O discurso direto e as ilustrações são os recursos atrativos que provocam grande interesse neste suporte textual. Os quadrinhos possui uma linguagem rápida e objetiva, somados aos recursos ilustrativos que contribuem para gerar a significação e a compreensão deste gênero textual.  No dia 8 de novembro de 1847, nasceu na Irlanda Abraham "Bram" Stoker, cujo seu principal trabalho é um dos romances mais famosos em todo mundo. O criador de Drácula abriu portas não apenas para romances de temática vampiresca, como também para o cinema que vive fazendo referências e adaptações desta obra. Da qual é tão rica em detalhes que levantaram hipóteses da real existência de Drácula na região da Romênia (Transilvânia). Nos quadrinhos, este personagem já deu “as caras” várias vezes, fazendo referência a grande obra de Bram Stoker. Uma obra que não poderia ficar de fora desta tendência de clássicos para os quadrinhos. Drácula, o Covil do Verme Branco e mais cinco histórias de mistério e terror é um livro em quadrinhos que utilizou trechos dos contos de Bram Stoker para envolver o leitor no prazer da leitura e no horror de suas histórias. Além do já conhecido Drácula, destacaria A Casa do Juiz e A Torre das Torturas que são impactantes por utilizar animais como elementos de terror numa narrativa “apavorante”, consequentemente num desfecho trágico. Portanto, com o pretexto de comemorar o dia do nascimento deste autor nada melhor que contemplar uma obra, seja ela em quadrinhos ou não, desta literatura impactante que ele nos deixou. 

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

The Awakening


            O cantor britânico James Morrison desde 2006 vem ganhando as paradas europeias e destaque fora do “velho continente”. Ano passado o cantor lançou seu terceiro álbum “The Awakening”, no estilo Pop/Soul com letras bem significativas e seu timbre “rouco” inconfundível. Neste trabalho são 13 faixas inéditas e com uma participação especial da cantora inglesa Jessie J. A música desta parceria é “Up” uma das preciosidades deste álbum com uma parte instrumental fantástica, que não é muito uma novidade para quem já o conhece em seus trabalhos anteriores. O single "One Life" que ganhou videoclipe no começo deste ano é outra música que vale a pena conhecer, bem como “Person I Should Have Been”, “Beautiful Life” entre outras. O Cd “The Awakening” do James Morrison é um dos poucos lançados entre 2011/2012 que vale a pena escutar na integra todas as faixas, pois nem todos apresentam letras, sonoridades e qualidade vocal que estão presentes neste álbum. 

domingo, 4 de novembro de 2012

Farto!


Farto!
Do seu jeito,
Do seu julgamento,
De suas comparações.

Farto!
Do seu feito,
Do seu sentimento,
De suas interrogações.

Farto!
Do seu leito,
Do seu esfriamento,
De suas imaginações.

Farto!
De ti
De mim
Da gente.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Os lados do amor


A porta fechou-se.
Não adianta bater,
Sua hora acabou,
Para que correr?

Uma porta abriu-se.
Não precisa bater,
Sua hora chegou,
Por que correr?

Por fim resolveu,
Desta vez não bateu,
Entrou, mas desistiu.
Um coração desiludiu.

Agora porta fechou-se.
De tanto escolher,
Sua hora acabou.
Não mais ei de te querer.

sábado, 27 de outubro de 2012

Te Vivo - Luan Santana

    Para minha surpresa esta musica não tem sons onomatopeicos, entretanto, tem uma poesia sem sentido que está longe de ser tocante. O que me espanta é uma letra tão ruim com esta estar entre as 10 mais visualizadas no site Vagalume. Fica aqui a árdua missão de analisar este primor de letra e somente a letra, desprezando o ritmo que já é ruim e o cantor que despreza comentários.  


“Quando me sinto só
Te faço mais presente
Eu fecho os meus olhos
E enxergo a gente”

Por enquanto nem um problema, lógico que estas rimas lembram aqueles versinhos de um famoso bombom, mas até que tem um sentindo.

“Em questão de segundos
Voo pra outro mundo
Outra constelação
Não dá para explicar
Ao ver você chegando
Qual a sensação”

Uma “vidência” potente para telestransportar em outro mundo. Primeiro “enxergo” depois “voo” e por fim, outra constelação, sem dúvida nem uma, é uma imagem de outro mundo. No final da primeira estrofe “ele” diz “enxergo a gente”, no final da segunda “ao ver você chegando” que visão avançada, porque primeiro vejo a gente, para depois ver você chegar. Tem alguma evolução de sentido invertida ai não tem? A partir daqui tentarei analisar frase por frase, se for possível.

“A gente não precisa tá colado pra tá junto”

De uma linguagem “poética” para a coloquial, daqui para frente à linguagem adolescente toma conta para dar “liga” entre as palavras porque sentindo ainda não encontrei.

“Nossos corpos se conversam por horas e horas”

Corpos conversam realmente, mas por horas e horas só com ajuda de um comprimido azul ou além de um “fenômeno visionário” é um “fenômeno na cama”, mas se formos pelo começo isto tudo é apenas uma visão do outro mundo, então está explicado.

“Sem palavras tão dizendo a todo instante um pro outro”

Um ato comunicativo que não entendi “sem palavras” ou “cem palavras”? Lembrando que esta letra está postada no site do vagalume, portanto, “sem palavras” não tenho palavras porque sem é zero, nem uma palavra e cem é cento. Como nem uma palavra pode dizer “a todo instante um pro outro” deve ser comunicação telepática imagino.

“O quanto se adoram”

Achei que eram sem palavras, mas na telepatia eis o sentido “o quanto se adoram”, mas não estava na primeira pessoa a letra? Agora estamos do no olhar de fora, terceira pessoa.

“Eu não preciso te olhar
Pra te ter em meu mundo
Porque aonde quer que eu vá
Você está em tudo”

Voltamos para primeira pessoa o “eu”. O amor aqui entra num estágio platônico “não preciso te olhar”, porque “você” esta no meu mundo que não é mais outro mundo e levo “você” para todo lugar de certo junto com o outro mundo que “ele” criou em sua “imaginação”.  

“Tudo, tudo que eu preciso
Te vivo”

Então tudo que “eu” preciso é “te vivo”. Qual é o sentindo disto? Mas um primor da música brasileira, mostrando que há uma falta de qualidade e sentindo nas letras nacionais. O prior é que uma “maravilha” como esta o povo escuta, o povo compra e o povo aplaude. Esquecendo que o grande palhaço deste circo é a vasta plateia que consome estas canções.

http://www.vagalume.com.br

terça-feira, 23 de outubro de 2012

O Estranho Caso do Sr. Jekyll e do Dr. Hyde


A obra de Robert Louis Stevenson conta a história de um sucedido médico Dr. Henry Jekyll que resolve deixar toda sua fortuna para até então um “estranho” Edward Hyde.  Com a desconfiança do senhor Utterson, seu advogado inicia uma investigação sobre a vida do Sr. Hyde. Violentos crimes são cometidos e as noticias vão se alastrando na cidade londrina. A ligação entre estes crimes e o Sr. Hyde se torna transparente e o empenho de Utterson em desmascara-lo o contribui para este feito. O grande mistério é por que Dr. Jekyll esforça tanto em mostrar que seu herdeiro no fundo é uma boa pessoa e o projete, mesmo sabendo que cometeu terríveis assassinatos. Perseguido pelo advogado o “monstro” se esconde no laboratório do médico. O medo toma conta de ambos os lados, mas a determinação de Utterson em salvar seu cliente e amigo era maior. Uma carta revela todo mistério que liga estas duas pessoas tão distintas. Seria possível dois seres dividirem o mesmo corpo? O autor mostra nesta obra cientifica como o ser humano está é vulnerável a vaidades externas, além de questionar no interno o bem e o mal que cada um pode aflorar de acordo com o seu descontrole. Uma narrativa impactante, um final trágico de uma loucura realista, assim definiria em simples palavras este clássico literário.  

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

O Suicídio


Dois cortes profundos nos pulsos foram o suficiente, para escorrer todo resto de vida que ainda guardo dentro de mim. Lentamente vou perdendo minhas forças. No canto extremo do quarto observo minha figura refletida no espelho, a cor viva esvaindo formando grandes poças uma de cada lado.
O rosto pálido e olhos dilatados envolto de um fundo negro, pelas incontáveis noites perdidas. As pernas mutiladas decorrente de constantes ataques de loucuras que sofria, causando dores no corpo, para esquecer as dores do coração. Que Latejava sofridamente indo de encontro para morte.
O corpo mobilizado pelo tranquilizante, que havia tomado uma hora antes de por um fim em tudo isto. Entregando para morte minha atitude covarde, por não suportar mais tamanho vazio na alma. Os olhos cedendo a vida, vão se trancando, como se negassem olhar a visão lamentável de meu ser.
Envolto de um vermelho vivo, entrego o restante de meu corpo ao chão. Ali fiquei na espera. Com tempo as poças secaram, a morte concretizou pelo odor emanado, os vermes se alimentam do corpo em decomposição e alma liberta e desesperada tenta fugir da sofrida prisão que caiu. Condenada por suas atitudes, ela queima nas chamas do inferno. Os ecos de seus gritos e lamentos, não preencheram o vazio de amar quem a não ama. 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A mar


Um som,
Um tom, 
Um dom.
Um olhar,
 Um cheiro, 
Um sorriso,
Um suspiro.
Um toque, 
Um bocejo,
 Um arrepio,
Um desejo,
 Um estilo.
Será que vou a mar?

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

The Countess


   A Condessa (2009) mostra o olhar de Julie Delpy diretora e atriz do filme, numa visão impactante da maior serial killer feminina da história. A húngara Erzebet Bathory de Ecsed entrou na história por executar cerca de 650 jovens donzelas. O filme mostra a mente “tortuosa” da condessa que banhava em sangue de virgens com intuito de preservar sua beleza. A história inicia com seu nascimento em 1506. Desde pequena foi destinada a casar com o Conde Ferenc Nadasdy, uma união perfeita a “força” e a “inteligência” que os tornaram o casal mais poderoso e rico do Reino da Hungria. Numa época de guerra, torturas e mortes passaram a virar sua rotina de prazer. De uma inteligência esplêndida e gênio forte era temida e respeitada mesmo com suas praticas lesbiana. Um amor verdadeiro surge e a busca pela juventude vira sua maior obsessão. A obra que vai mesclando entre a ficção e realidade, boatos e fatos, os sacrifícios e o amor da mulher que já foi a mais poderosa da Hungria. 

O Professor do “sorriso amarelo”.


      Não é preciso atentar em números de ocorrências para ter a ciência de que o professor está cada vez mais desamparado pelas leis deste vasto país. O absurdo é tão quando grande, que o aluno passou ter razão e direito dentro de um ambiente escolar, mas omitindo o seu dever ao frequentar este mesmo ambiente. Atualmente o professor não pode tocar no aluno ou ofender este mesmo, pois pode perder o emprego, além de responder a um processo. O que é justo, já que na função de educador não é ético e nem aceitável ter este tipo de comportamento. Mas, quando os lados invertem? Quando o aluno falta com respeito e agride o educador verbalmente ou fisicamente e em muitos casos ocorrem as duas agressões. O estopim que pode gerar estas violências é a baixa nota que lhe foi agregada ou chamar a atenção do aluno em sala de aula. Recentemente uma professora foi agredida no Estado do Paraná por uma mãe que não aceitou a baixa nota da filha. Outro caso curioso é do professor está sendo processado por ter reprovado um aluno que não frequentou nem um dia a sala de aula. Nesta segunda feira comemorou o Dia do Professor, mas este orgulho de ser professor está cada vez mais corroído principalmente pela falta de respeito dos governantes, dos pais, dos alunos, da sociedade em geral. 

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Amor tradiconal

Amo de uma forma tradicional,
Daquelas de tempos antigos.
Onde amar era proibido,
Quando verdadeiro. 

O infortúnio ser.


Duma escuridão horripilante submerge o ser que leva meu coração cravado num punhal prateado. Lutando contra própria morte, peço socorro, mas ninguém escuta. O vazio invade minha alma, enquanto a razão desesperada busca uma solução para recuperar o coração que sangra no punhal deixando rastros de dor. Minha voz tremula emitiu um som esquisito, um grito ecoou no silêncio profundo.
Nem um sinal de vida, minhas esperanças escoavam pela vala do esgoto. Até que meu olhar já enegrecido detectou uma luz que não saberia dizer se é benéfica ou maléfica, mas foi a única coisa que apareceu. Sem questionar suas intenções agarrei com toda força a mão estendida. Mão que com um notável impulso me levantou, seguido de uma doce voz que invadiu meus ouvidos dizendo “estou aqui”.
A sensação de não estar mais só passou. A esperança voltou a brotar em minha alma e a visão enegrecida aos poucos se libertava das trancas que fechavam as janelas voltadas para a vida. O coração sangrando no punhal esboçou uma reação positiva emanada pela esperança. Esta que percorria o esgoto foi regressando renovada e impulsionada pela vontade de viver. Como o ser humano é carente, basta uma mão estendida para as trancas começarem a ser removidas, pensou minha razão.
A partir dai, instalou-se uma batalha interna em minha mente, mas o desejo de ter o domínio dos meus sentimentos falou mais forte. A obsessão de reconquistar meu coração me fez agarrar na única ajuda, sem dar muita razão a razão, ainda com uma visão turva deixei-me guiar pela mão. No caminho percorrido janelas foram se abrindo e portas fechando, a dificuldade apareceu e a mão milagrosa perdeu seu encanto.
Enquanto isto, o coração ainda perfurado pelo punhal aos poucos foi regressando a sua inconveniente dor. O sangue estancado não escorre mais pelos caminhos percorridos, a negridão ocupa o lugar que era de um vermelho vivo. Não suportando tamanha dor, afasto da pessoa que me estendeu a mão e levo comigo seu coração espetado num punhal de prata. Com isto, regresso a minha escuridão, depositando em minha coleção mais um coração partido. No infortúnio ser que me transformei, tento trocar os corações que roubei pelo meu roubado. 

terça-feira, 9 de outubro de 2012

A Redescoberta do Mundo


          Quatro adolescentes unidas pela amizade e um ideal: uma Índia mais justa. Quatro mulheres que apesar do forte laço de união o tempo fez o favor de distancia-las, mas o destino com uma triste notícia pretende reparar esta ação do tempo.  A autora Thrity Umrigar mostra os dois lados da Índia: riqueza e pobreza. A cidade que dá vida a esta narrativa é Bombaim a maior e mais importante do país. Um ponto que a autora coloca em foco é o preconceito religioso entre os hindus e os muçulmanos, além da relembrar o conflito de 1992 que resultou em muitas mortes entre estas duas religiões. Este conflito que transformou a vida de uma personagem fazendo-a “prisioneira” do seu amor e renegada pela própria família. Portanto, pode definir as personagens como: uma dona de casa pobre e reclusa, uma socialite idealista de personalidade forte, uma arquiteta lésbica e uma doente que se recusa fazer tratamento.  A união destas quatro personagens vem com a notícia de Armaiti que está com câncer e pede para as amigas visitarem-na nos Estados Unidos antes de sua morte. Os conflitos começam a gerar de acordo com que uma Laleh e Kavita procuram por Nishta e a doença de Armaiti piora.  A Redescoberta do Mundo lançado recentemente pela  editora Nova Fronteira é uma obra envolvente que entrelaça a cultura e costumes indianos, com os rumos distintos destas amigas, numa descrição muito bem feita pela autora, dando personalidade a cada uma delas fazendo o leitor um “refém” de quem agiu certo ou errado no desenrolar da trama. Um romance imparcial marcado pelos conflitos históricos e sociais, alimentados por ironias e criticas da “moderna” Índia. 

sábado, 29 de setembro de 2012

Divina Mulher por Lafourcade



Demorou, mas saiu “Mujer Divina” o novo trabalho de Natalia Lafourcade. O álbum foi inspirado em Agustín Lara que amava as mulheres e justamente elas foram sua grande inspiração para mais de 700 canções deste compositor/cantor mexicano. Segundo Lafourcade “o disco ressalta muita a energia feminina” e ela procurou transpassar esta energia representando em grande parte as faces da mulher, também presentes nas canções de Agustín Lara o homenageado neste trabalho. Entretanto, a cantora mostra uma preocupação não apenas com as canções, mas também em todo material de divulgação que compõem este álbum. O que faz dela uma artista conceitual cuidando e escolhendo a dedo as pessoas como a fotografa Flor Gonzáles, além dos cantores/músicos Adrián Dargelos (Babasónicos), Meme (Café Tacuba), Gilberto Gil, Kevin Johansen, entre outros para projeto buscando a harmonia em todos os seus processos. Musicalmente o CD mostra esta harmonia entre as canções que falam dos sentimentos femininos, que na sua maior parte soam melancólicas e afetivas, o que já é de certa forma um estilo da cantora, mas com um cuidado nos arranjos dando uma sonoridade “retro” de extremo bom gosto. Entre as canções pode-se destacar “La Fugitiva” primeiro single que ganha vídeo, “Amor, Amor de Mis Amores” e “Limosna”.  Natalia Lafourcade é uma mulher divida que vem nos presentear com um trabalho que o resumiria como uma sonoridade poética sentimentalista e delicada, assim como toda mulher. 


quinta-feira, 27 de setembro de 2012

The Raven


Não tem coisa melhor que viajar nos textos de Edgar Allan Poe como o poema “Annabel Lee” e os contos “A Máscara da Morte Escarlate”, “O Corvo”, ”Os Crimes da Rua Morgue”, “O Mistério de Marie Roget”, “O Poço”, “O Pêndulo” e imaginar toda "estranheza" de suas composições.  O Corvo (2012) é um filme “aperitivo” que liquidifica estes textos provocando um grande interesse na chocante obra deste escritor americano. Nele mostra uma das possíveis soluções para sua morte misteriosa e questionada até os dias de hoje, somados a um suspense policial. O filme tem como intenção relatar uma os dias finais Poe, além de incrementar com assassinatos baseados em suas obras instigando-nos a descobrir quem é o assassino “doente” que trouxe para realidade suas obras publicadas.
Uma história com várias pinceladas de referências literárias do autor e de outros como William Shakespeare e Júlio Verne. Entretanto, apesar de tem uma boa edição, figurino, fotografia, o filme apresenta falhas no desenvolvimento da trama e um final aberto o que não acho ruim, mas nem todos gostam. O que vale ressaltar é o cuidado que teve nas cenas de morte de extremo bom gosto e a atuação de John Cusack que não foi tão brilhante, mas interpretou um dos mais brilhantes escritores da América. Portanto, vale a pena assistir e relembrar ou conhecer algumas partes dos escritos deste mago do horror passional.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Apaixonado


Os meus olhos inventam infinitas buscas
Para encontrar em seus olhos
O inesperado brilho
De um olhar
Exaltado.

Exaltado,
Do seu olhar
O brilho inesperado
Para em seus olhos encontrar
Os meus olhos refletidos nestas buscas infinitas. 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Para sempre


    A autora estreante Glaucia Santos de 32 anos, depois de tanto “brincar de escrever” resolveu publicar o seu primeiro livro “Para sempre” pela Editora Baraúna.  A narrativa desenvolve entre dois amigos que juntos descobriram o significado do amor. O romance conta a história de um amor de infância entre Elizabeth e Justin que após um afastamento de dez anos se reencontram, revivendo sentimentos irresistíveis, lutando contra dificuldades, dramas e conflitos familiares. Entretanto, a vida não é feita apenas de lutas, com muita fé eles descobrem que o verdadeiro amor é capaz de transpor todos os obstáculos, valorizando cada pequeno gesto e momento, e que tudo vale a pena quando se tem a capacidade de amar e perdoar. Uma história que promete arrebatar nossos corações, além de aflorar sentimentos e emoções a cada página lida, revigorando a maior das sensações que é amar.

domingo, 23 de setembro de 2012

Passional


Em parte sou metade
De um idealismo descabido,
De uma ideia absurda
Em querer quem não me quer.

Em parte sou outra metade
De um realismo ascendente,
De uma dor permanente
Em não querer mais amar.

Ao todo sou louco
De certa forma estou rouco,
De tanto te exaltar
Ao invés de te sepultar. 

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Circo Eleitoral Obrigatório: desligar ou assistir?


     Todo ano de eleição é a mesma coisa. Durante meia hora no período da tarde e meia hora no período noite, somos “obrigados” a assistir o horário político. Muitos podem dizer que é um espaço importante para conhecer as propostas dos cândidos, mas não é um espaço democrático. Sabemos que o tempo vem de acordo com o tamanho do partido e as coligações que os partidos fazem entre si. Portanto, como vamos saber qual é a melhor proposta se um candidato tem 10 minutos e outro tem 3 minutos. E que credibilidade tem um candidato a vereador, que só repete seu número repetidas vezes ate acabar seu tempo de 20 segundos. Uma questão relevante deste horário obrigatório como se já não bastassem os comerciais que passam constantemente durante o dia todo, é uma preocupação em alfinetar o concorrente, deixando para segundo plano o que realmente importa sua proposta de governo. Outro ponto é a invasão de humor descabível usado como uma estratégia de marketing para manipular a memória do eleitor e conquista-lo por uma situação ridícula. Tenho a impressão que nesta situação somos cativados por palhaços, pois damos risadas e votamos nestes indivíduos. Com isto, o riso troca de lado e descobrimos que nos somos os verdadeiros palhaços. A única coisa importante de deveria ser obrigatória é pelo menos dois debates políticos exigindo participação de todos os candidatos, mas isto não existe. Somente com o confronto direto podemos saber quem está mais capacitado para questionar, responder e apontar soluções para uma administração satisfatória. Resta-nos conformarmos com esta enxurrada de campanha eleitoral, desligar ou assistir este circo e tentar votar no “melhor”, caso isto, seja possível. 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O Rei do Raop


    Cro (Carlo Waibel) é um rapper, cantor, produtor e designer alemão. Com apenas 20 anos, sua criatividade tanto no musical como no visual chama atenção.  Ele toca piano e guitarra, e não associa o pop como uma palavra “suja”. Em suas produções ele mistura rap indie, pop e clássico para algo novo dando uma característica particular do rapper. Ele chama isso de "raop", uma mistura de rap e pop. Seu primeiro vídeo para a música "Easy" atingiu depois de alguns dias a marca de um milhão. Outras músicas que merecem destaque são “Wir Waren Hier” que classificaria a letra como um “pop-adolescente”, mas bacana e Bye Bye (que não está neste álbum) que vale a pena escutar. A MTV intitula como o "recém-chegado mais quente da cena rap alemã". Para Jan Delay (considerado o precursor do hip hop alemão), ele é "o futuro do Rap alemão" e seus fãs o chamam como o "rapper Panda". Em 6 de julho 2012 ele lançou seu álbum de estreia “Raop”. De cara três músicas do álbum foram lançadas consecutivas como singles "Du", "King of Raop" e "Meine Zeit". Em sua primeira semana vendeu 60.000 cópias na Alemanha. Saiu recentemente a listas de indicados do Europe Music Awoards 2012 (EMA’S) e ele foi indicado como "Melhor Artista alemão".  O mais importante prêmio da MTV Europe será realizado em 11 de novembro em Frankfurt, na Alemanha. 

sábado, 15 de setembro de 2012

Como Partir O Coração De Um Dragão


     A mais recente aventura de Soluço Spantosicus Strondus III “Como Partir O Coração De Um Dragão”, já inicia a narrativa de cara com o desaparecimento de Camicazi, e a trama não circula apenas neste problema, pelo contrário a complicação vai aumentando quando a tribo dos Hooligans resolve ajudar na procura da menina em territórios perigosos do Oeste Selvagem. O trono perdido do oeste selvagem surge e com ele um mistério. Bem como a carta de amor escrita por Perna-de-Peixe para a filha de Oso, O Criminoso Feioso que coloca Soluço em uma missão impossível não, mas improvável de sucesso na terrível ilha de Berserk. Lá descobre que seu maior inimigo está vivo.  Estas três personagens dão a cara desta nova aventura escrita por Cressida Cowell.  O desaparecimento, a origem de Perna-de-Peixe e a profecia que envolve Soluço servem como pano de fundo de estampas distintas e interligadas para uma narrativa emocionante. O presente abre portas para descobrir o passado, o perigo de amar naqueles tempos, somado ao humor impagável de Banguela (dragão de Soluço) e as façanhas do principal rival de Soluço. Um serie que discute força e esperteza, rebeldia e obediência e uma amizade capaz de juntar tribos rivais. O livro que apesar de estar integrado com os demais volumes, não impede de você de entendê-lo fazendo desta Série uma trama bem tecida como uma teia de aranha em que todos os caminhos apontam para somente uma direção viajar nas aventuras de Soluço e Banguela.  

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Boca Seca


Boca seca de anseio
Na busca do úmido,
Para tirar o ressecado passado,
Uma vontade sequente
De não querer viver.

Boca seca de desejo
Na busca dos seus lábios,
Para me saciar de caricias,
Numa instigante malicia
De querer te ter.

Boca seca de saudade
Na busca da vivacidade,
Para aliviar minha vontade,
De querer te absorver.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Give me what I want, and I'll go away


     O consagrado escritor Stephen King é detentor de inúmeras obras adaptadas para sétima arte, mas tem uma que chama atenção pela trama narrativa bem tecida.  Com o tempo de 240 minutos um “longa-metragem expansivo”, mas na verdade se trata de um a minissérie nos provoca curiosidade a partir do seu título.  A Tempestade do Século é uma obra prima do escritor norte-americano devido sua dramaticidade assombrada por mistérios e intrigas. A narrativa passa numa ilha em que sua população é uma pequena comunidade aparentemente prefeita e unida, que se preparam para grande tempestade. Esta visão aparentemente “perfeita” fica abalada com a presença do desconhecido Andre Linoge. Este homem mata uma senhora e é detido na casa da vítima pelo policial local. Como a comunicação com o continente fica prejudicada devido a grande tempestade o “preso” fica detido na ilha, mais tempo do que os moradores poderiam desejar.  Os segredos vêm á tona e as mortes começam a virar rotina nesta pacata ilha. Mortes que sempre vinham acompanhadas com a frase “dê-me o que eu quero e vou embora” o mistério se instala, coisas estranhas acontecem “quem nasce do pecado é apanhado”. Um dilema é instaurado “quem é prisioneiro de quem?”. Os pecados tem o preço da inocência e os pecadores terão de ceder para fugir da repetição que é o inferno, além de salvar suas próprias vidas. Uma reflexão de que até os perfeitos esconde seus defeitos. Um suspense eletrizante escrito por um dos maiores mestres deste gênero na atualidade. Um teste de paciência e no final a grande dúvida “será que fizemos a coisa certa?”. 

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Graça


    Foram mais de setenta livros foram publicados em dezenas idiomas em todo o mundo. Considerado o autor líder no segmento de livros de inspiração cristã nos Estados Unidos, muitos de seus títulos já frequentaram as listas de best sellers de veículos como The New York Times, USA Today e Publishers Weekly. É o primeiro e único escritor a conquistar por três vezes o título de “Livro cristão do ano” da Evangelical Christian Publishers Association. Apresento Max Lucado um escritor e pastor evangélico norte-americano e a Editora Thomas Nelson Brasil lança o livro Graça. Nas palavras do autor, a graça é a melhor ideia de Deus. Nada escapa de seu alcance. Nada pode modificar tão profundamente a vida humana quanto ela. Diferentemente de qualquer outra manifestação religiosa ou conceituação filosófica, a graça expõe a própria dinâmica de vida proposta por Deus. Segundo Augusto Cury, “Através dos seus escritos, Max Lucado leva os leitores a serem cristãos sem fronteiras e a desenvolverem uma espiritualidade inteligente, que respeita os diferentes”. Descubra neste livro uma graça ativa, surpreendente e irresistível que acontece na vida em toda a sua plenitude. Graça é a obra mais importante da vida de Max Lucado.

Os livros de Esteros – As crônicas de Fedors

    Aldemir Alves é o autor de mais uma obra lançada pela Editora Baraúna. Um amante dos gibis da Marvel, fascinado pelas criações de Stan Lee, quando criança foi um leitor assíduo da serie Vaga-lume, o que acredito ter influenciado a vontade de escrever o gênero fantástico. O livro de Esteros – As crônicas de Fedors é um livro de fantasia clássica, que aborda principalmente as mitologias élficas e nórdicas. Esteros é um planeta composto por cinco continentes e durante 100 anos viveu momentos de paz, até que um erro destruiu um século de abstinência. Surge um universo e também um mal. Os povos vivem em paz e o criador cuida muito bem das suas "criaturas". O mundo precisou ser destruído, uma nova nação renasce dando origem aos seres mortais. Os mortais são um legado dado aos deuses, para que sejam cultivados e vivam em paz. A história começa após a discórdia que deu origem ao Big-Bang.  Vamcast, um elfo de origens brancas, se mostra um rapaz tentado ao poder, e atrai o mal para a sua vida se tornando um demônio assassino. Seu pai Mussafar comete um erro e paga caro por ele. Seria incorreto esconder de seus filhos, que vivemos em um mundo desumano? A guerra a muito esquecida, recomeça e os Naireanos têm que lutar mais uma vez, pois o ‘Mal’ ameaça a todos os seres vivos deste planeta. O irmão caçula de Vamcast se torna a única esperança do mundo. Ele terá que matar o seu próprio irmão em combate, e só assim libertar o seu mundo fadado à destruição. Com um fundo enigmático, e um novo estilo de narração, o autor recria um mundo, cheio de criaturas mitológicas, esportes próprios, culturas ocultas, criaturas misteriosas, crenças irreconhecíveis e duas raças jamais antes vistas.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Calo


Calo-me
Para não mostrar meus ditos mal interpretados,
Para não ferir meu determinismo desgovernado,
Para não me expor
Mais do que já sou exposto.

Calo-me
Para não afastar ainda mais dos outros
Para não ser julgado como um louco
Para não sofrer
Mais do que já sofro.

Calo para não ficar rouco,
Para não causar desgosto
Para não exigir
Mais do que já exijo,
Me calo.  

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A Pedra de Arumã


   O escritor paulistano Adriano Ferreira é um apaixonado por literatura fantástica, tem como inspiração e admiração grandes escritores deste gênero como J. K. Rowling e J. R. R. Tolkien. Inspiração esta que motivou a concretizar um desejo, escrever uma narrativa fantástica. A Pedra de Arumã - O segredo do templo lançado recentemente pela Editora Baraúna traz uma emocionante sequencia de aventura com Leon, um jovem aprendiz de guerreiro, que após 18 anos de treinamento, inicia um a jornada para desvendar os segredos que rondam seu passado e proteger uma das últimas forças que faria a magia de seu reino não desaparecer, a pedra Alada. Esta narrativa se passa em Tilindor, um reino onde a magia impera, porém devido ao governo de um rei obscuro, o reino está perdendo sua magia e somente os deuses de uma terra proibida e sagrada poderão proteger a pedra e fornecer as peças chaves para Leon descobrir as respostas que tanto almeja. O livro nos convida a mergulhar fundo no mundo de magos, bruxo, elfos, princesas e grandes guerreiros, além de embarcar numa jornada junto com protagonista Leon e os segredos que o esperam.  

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Fora de Frequência


     O grupo dinamarquês The Asteroids Galaxy Tour obteve uma grande exposição na mídia, após gravar o comercial da Heineken Internacional exibido aproximadamente em setenta países incluindo o Brasil em 2011. No comercial banda toca ao vivo a música "The Golden Age” tornando um dos seus principais hits, desde sua formação em 2007. No começo de 2012 a banda liderada por Mette Lindberg e Lars Iversen lançou o álbum “Out of Frequency” com 14 faixas de inéditas embalando um Pop Cult psicodélico. Eles fazem experimentações de vários instrumentos trazendo uma riqueza sonora diferenciada, somado a doce voz de Lindberg. Sobre as músicas Iversen comenta que não pretende aborrecer as pessoas com letras de diários privados da banda e prossegue "Nós queríamos fazer música com uma qualidade verdadeiramente cinematográfica, canções que apresentam personagens que não são necessariamente de nós. Músicas com bandidos, heróis e amantes".  Além de Mette Lindberg e Iversen a banca conta com Miloud Carl Sabri no trompete, Sven Meinild no saxofone, Mikkel Baltser na guitarra e Rasmus Valldorf na bateria. O primeiro single de divulgação é a música “Major”, mas “Heart Attack” é o vídeo mais recendente dos dinamarqueses. 

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

As Folhas


      Uma folha em branco é o suficiente para preenchê-la com os pensamentos podendo ser representados por traços, letras ou cores. A visão de cada um torna-se única quando damos voz a nossa criatividade sem nos preocuparmos com a aceitação ou negação dos outros. Mas de que adianta preencher um papel em branco com sentimentos ou pensamentos, se não agrada a grande maioria. Para ser diferente há de pagar um preço alto que nem todos nos estamos convencidos de que este custo inicial pode dar lucros. Entretanto, ser igual é como desenhar ou escrever em formas, tudo padronizado e perfeito, além da facilidade que temos. Mas de que adianta preencher um papel em branco com sentimentos e pensamentos moldados, só para agradar a grande maioria. Porém, usar está régua não nos garante atingir lucros dos quais pretendíamos. O fato é que vivemos num mundo em que quanto menos informação, mais réguas/moldes são oferecidos, com isto, manipulando e limitando o desenvolvimento de sua criatividade e capacidade crítica de ver o mundo. Uma simples folha branca sem uso não é o suficiente para refletir que caminhos seguir. Uma simples folha branca preenchida não é o suficiente para refletir que caminhos seguir. Apenas, um amontoado de folhas brancas sem uso ou preenchidas podem nos direcionar que rumo tomar, o que esperar e a quem quero agradar. Proporcionando um possível e difícil equilíbrio de satisfazer nossos anseios e as sociedades em que estamos inseridos. 

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

História de morte


    Sentindo aquela inquietação de espirito, a ansiedade deixava meu dia mais extenso. Impaciente a cada dever cumprido, fitava o relógio rústico pendurado no centro da parede, aflito constatava que o tempo não passava. No decorrer da tarde o calor estendia. Era tão insuportável quanto o meu desejo pelo final desta tortura. Cansado há vários dias sem dormir o desejo pelo final de semana era tão grande quanto à determinação de Victor na perseguição do demônio. Por fim, acabou meu expediente. Liberto de um cárcere inicia os preparativos para adentrar em outro, em que a solidão é meu único carcereiro. Detido, sem sono, varo a madrugada na busca de descobrir o verdadeiro eu. Na falha de minhas constantes buscas me perco em alucinações e possibilidades enquanto preparo em uma caneca, uma bebida quente a base de café solúvel. 
Amanheci debruçado na mesa em cima dum livro autoajuda, segurando a caneca com os resíduos da bebida encrostado em sua borda. Com forte enxaqueca sem lavar a caneca enchi de água e peguei um comprimido para aliviar a dor. À noite mal dormida, somado aos efeitos do comprimido deixaram minha mente ainda mais confusa. Minhas alucinações corroíam minha mente sensata e a loucura tomou conta de meu ser. Fora de controle ansiei por algum meio para de silenciar vozes que passei a escutar incitando-me a retaliação. No colapso de minha extrema loucura talhei minhas orelhas uma de cada vez com a navalha afiada que usava para me barbear. A dor absurda não foi o suficiente para deixar de escutar as vozes que me pedia para cortar minha língua. Então lhes propus um acordo. Cortaria minha língua se elas desaparecessem. Sem esperar pela resposta num súbito surto cortei minha língua e a ofereci como oferenda.
As vozes desejam cada vez mais e iniciei a minha mutilação. Na cabeça passei tão rente a navalha no meu couro cabeludo que ele ficou em carne viva. Minha visão estava vermelha com tanto sangue que escorria transportando para meu próprio inferno. Já me sentia fraco, mas as vozes não paravam de falar, de gritar, de mandar e ódio tornava o combustível de minhas forças. Sentado no chão quase abraçando minhas pernas cortei os dedos dos pés um de cada vez e me livrei da mão esquerda. As vozes por fim cessaram e uma satisfação tomou conta de mim. A fragilidade do meu corpo me derrubou com completo. Em lagrimas devido a grande dor física, fui voltando ao meu estado normal e deparando com a mutilação que cometi. Engasgando com meu próprio veneno, meu estado de sanidade corrompeu a uma ultima loucura e decapitei em com dificuldade o que já havia perdido.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Roda


Houve um tempo
Que a batida me movia,
Que a mente esvaziava,
Que o corpo estremecia.

Neste curto tempo
O sorriso era frequente,
O olhar não era ausente,
O corpo ficava quente.

Acabou este tempo
Acabaram sensações
Acabaram idealismos,
Restaram consternações.

Neste tempo nasce
Um novo proposito,
Uma nova vida emerge
Iniciando um novo tempo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Mesmo que não há.


Há páginas que devemos virar.
Há "amigos" que devemos descartar.
Há Karmas que devemos superar.
Há amor que devemos buscar.
Há desculpas de devemos pedir.
Há desculpas que devemos aceitar.
Há dois lados que devemos olhar,
Mas só um caminho para trilhar.
E assim, trilho até a felicidade,
Encontrar, mesmo que não há. 

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Que burburinho é este?

    O Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) mostra mais uma vez o “desavanço” da educação pública no país, mas porque o espanto? Precisa o Jornal Nacional fazer um especial sobre educação para que a população tenha noção da gravidade que se encontra o ensino atual. Precisa das mídias impressas e televisivas noticiarem um fato que só de entrar num ambiente escolar é perfeitamente perceptível. Está na hora da população não apenas cobrar dos políticos melhores condições para obter um ensino de qualidade, mas também cobrar dos filhos maior comprometimento com do estudo. Bem como os pais devem ser mais participativos na vida escolar de seus filhos e cobrar do gestor escolar e dos professores um maior empenho para melhoraria do ensino no seu bairro. O baixo investimento na educação e a desvalorização dos professores que se empenham para aumentar o índice de compreensão e produção textual compromete todo um avanço da educação desmotivando até que pretende fazer algo. Os políticos tem culpa, mas nos também temos, por votar neles e compactuar com este descaso educacional que não é hoje. O conhecimento é o caminho para ampliar seu senso critico e gerando novas oportunidades. A escola tem como obrigação proporcionar grande parte deste conhecimento, entretanto, só pode ser receptivo se a outra parte tiver a noção que o único beneficiado é ela. Portanto, apenas com uma população participativa pode melhorar a situação do ensino público brasileiro e isto, inicia dentro de nossas casas. 


terça-feira, 14 de agosto de 2012

Frankenstein


    Ele foi gerado de um amor que transbordava generosidade e gratidão. De uma família rica, de perfeita harmonia, um novo presente lhe é dado o seu grande amor. A obstinação pelos estudos o desperta para sua grande ambição. Um desafio que ultrapassa as leis naturais, que subestima o grande criador. Sua persistência e dedicação por fim é compensada e suas frustações dão inicio com o sucesso de sua experiência. O “demônio” nasce e a rejeição desencadeia o ódio. A família depara com suas perdas, a covardia se esconde na loucura, inocentes morrem aumentando o sentimento de culpa. Seria uma punição por desafiar o grande criador ou uma punição por renegar a criatura.  Uma promessa é descumprida e o preço desta consequência será alto. A perseguição do demônio vira sua nova obstinação, alimentanda pelo ódio é necessário por um fim para que inocentes não venham pagar por um erro que ele cometeu. Um clássico atemporal, um dos melhores contos de terror, uma inquietação sobre quem está certo ou errado. A autora Mary Shelley conta por meio de cartas entre dois irmãos ingleses a vida do cientista Victor Frankenstein um gênio que pagou caro por sua loucura. 

terça-feira, 7 de agosto de 2012

A Morte


      Na madrugada ela acordou com vento frio que invadia seu quarto. Ainda sob os efeitos de medicamentos, levantou cambaleante, em direção à manta de fibra sintética, que estava meticulosamente dobrada no assento da poltrona, na outra extremidade do quarto. Em meio aos tropeços do par de sapatos de couro preto abandonados pelo chão, uma crise neurótica arrebatou seus pensamentos, e uma ânsia de purificar seu corpo a tomou conta. A dor veio com o cair da água quente sobre seu crânio raspado e ferido. A cada toque de fervência uma vermelhidão surgia no corpo pálido e roxo. A sensação de pele esfolada causada pela alta temperatura era como um tortuoso prazer em busca do corpo purificado.  Saindo do Box deparando com o espelho embaçado sua mão em movimentos frenéticos buscava por uma imagem refletida. As marcas visíveis surgiram junto com o seu rosto danificado, seus olhos inchados lacrimejaram e a boca tremulante só aumentando a visão de desespero e horror do que fitava. Indignada com a imagem refletida, impetuosos socos foram de encontro com o espelho, até que ele trincou por completo com alguns pedaços caído na pia. Os cortes de suas mãos só aumentavam sua insanidade. Olhando para reflexo destorcido, seu verdadeiro ser aflorou.  A beleza se foi, a feiura que tanto escondia abrochou diante dos olhos mostrando por fora o que era ela por dentro. Não suportando sua visão que acreditava ser a realidade, uma solução covarde veio em sua mente, da qual não tem volta. 

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

A culpa é de quem?


        Muita gente vem acompanhando os Jogos Olímpicos de Londres de 2012, e vem criticando a modesta atuação dos atletas brasileiros em relação ao quadro de medalhas. É muito fácil cobrar um resultado sem incentivo eficaz nas práticas esportivas no país. Quantas escolinhas de futebol existem no Brasil e quantos centros de treinamento existem nas demais modalidades que estão presentes nas Olímpiadas? Pode estar ai, o grande problema do fraco desempenho nesta e outras Olimpíadas. O fato é que enquanto o Brasil: governo, população, mídia e empresários, valorizarem apenas o futebol como único esporte rentável para o país, as demais praticas esportivas ficam em segundo, terceiro, quarto ou até nem uma plano. A falta de incentivo para os que já são atletas e para os que podem vir a ser é um grande obstáculo, além de estruturas inadequadas ou em muitos casos a falta dela compromete a “pretensão” do Brasil como uma futura potência olímpica. Por fim, sem investimento não podemos criticar e nem cobrar uma garra maior de nossos atletas, já que só pelo fato de estarem lá representando o Brasil sem estrutura adequada os tornam guerreiros do esporte nesta selva futebolística. 

domingo, 5 de agosto de 2012

Pare e Escute.

      A russa/norte-americana Regina Spektor é uma cantora que conhecia e desconhecia ao mesmo tempo. Na verdade precisou “Better” entrar na trilha sonora do filme “My Sister's Keeper” para chamar minha atenção. O seu som alternativo e com arranjos instrumentais marcantes principalmente o piano dá toda uma característica peculiar de Spektor, somado as suas firulas vocais mostrando que além de excelente instrumentalista, tem um controle de voz e afinação que impressionam qualquer um que goste de boa música. Ela lançou no final de maio deste ano o álbum “What We Saw from the Cheap Seats” um título bem sugestivo para o conteúdo que encontramos ao decorrer de suas 11 faixas de boas canções.  O primeiro single “All The Rowboats” faz alusões de uma forma crítica às obras de artes trancafiadas em museus por serem atemporais. Uma letra como esta pode dar uma significação maior do que está explicita dando uma qualidade mais significativa para quem escuta e procura entender uma letra. Suas canções vão mesclando magoas e humor, por vezes ironizando emoções. Portanto, fugindo dos “padrões comerciais”, este novo trabalho pode não agradar a todos os ouvidos por abusar de sons instrumentais “diferenciados” e arranjos criativos, mas vale a pena conferir algumas de suas canções que mais parecem trilhas de filmes daqueles exploram um lado emocional intimista.  

sábado, 4 de agosto de 2012

Bondade


Quando você é bondoso,
As pessoas abusam.
Quando você cobra,
As pessoas criticam.
Quando você menos espera,
As pessoas te maltratam.
Quando você nega,
As pessoas se afastam.
Quando você atende,
As pessoas nem agradecem.
De que adianta ser bom,
Se as pessoas não são.
De que adianta ser ruim,
Se as pessoas não querem.
Parece que as pessoas
Só querem tirar vantagem,
Esquecendo-se de quem dá
Também quer receber
Bondade.